boldthemes_set_override(); boldthemes_header_init(); boldthemes_header_meta(); wp_head(); $body_style = ''; if ( boldthemes_get_option( 'page_background' ) ) { $body_style = ' style="background-image:url(' . boldthemes_get_option( 'page_background' ) . ')"'; } ?>
Alimentação-infantil-Orientações-para-os-pais-Daniele-1-1200x800.jpg

16/02/2018 Nutrição0

Quem tem filhos sabe que a hora das refeições pode se transformar em uma guerra quando as crianças são pequenas. Mais do que fazer os filhos comerem, é preciso educar as crianças para que elas comam alimentos saudáveis. Tudo que as crianças pequenas fazem é direcionado pelos adultos. Os pais determinam a hora de dormir, de acordar, tomar banho, qual roupa vestir.

Portanto, brigar, forçar, bater, isso só fará com que eles percebam que podem manipular os pais. Caso as crianças se recusem a comer, diga que está tudo bem, mas eles só poderão comer na hora do próximo lanche ou refeição. Ser paciente e, dar tempo a eles assimilarem as comidas não é falta de autoridade. Então vamos há algumas dicas auxiliar os pais na hora das refeições:

  • Evite lanches fora de hora: O ideal são seis refeições diárias e evitar beliscar fora desses horários.
  • Não ofereça comida como recompensa: A situação pode ser ainda pior se a recompensa for uma comida gostosa, como um pedaço de bolo. Recompensar uma garfada de brócolis por uma fatia de bolo significa que o vegetal é algo ruim e que o bolo é a melhor coisa que existe. Evitar os subornos com comida também impede futuros problemas de peso. Em vez de sugerir que as frutas e vegetais são ruins ao oferecer uma recompensa, fale das qualidades destes alimentos. O segredo é mostrar como essas comidas são coloridas, como os formatos são diferentes, que eles vêem da fazenda e são cheios de vida.
  • Não ameace a criança com castigos por não cumprir o combinado:

 “Se não comer a salada, não vai ganhar presente”. Isso somente vai aumentar o ódio que a criança sente das saladas.

  • Evite brincadeiras na mesa: Hora de comer é hora de seriedade, evitar fazer brincadeiras. Muito mimo é sinônimo de muita manha.
  • Cuidado para não ceder ao primeiro “Não Gosto Disso”: a criança tem uma tendência a dizer que não gosta de uma comida que ainda não provou. Cada um pode comer o que quiser, mas pelo menos, experimentar não custa nada.
  • Evite substituir refeições: Não quer arroz e feijão, então toma uma mamadeira. Esse erro é muito comum, e se a criança conseguir uma vez, vai repetir essa estratégia sempre.
  • Não torne a ida a uma lanchonete uma festa: Assim, a comida de casa fica sem graça.
  • Não sirva sempre a mesma comida: Se a criança só toma iogurte, então passará o dia todo tomando iogurte. E claro, ela vai enjoar, e vão faltar nutrientes e fibras.
  • Dê exemplo: As crianças são muito influenciadas pelos hábitos dos pais. Isso não quer dizer que os pais devem mentir dizendo que gostam de determinadas comidas, mas eles devem se mostrar abertos a provarem coisas novas. Pais com dietas pobres não podem esperar que os filhos comam de tudo. E não adianta mandar a criança tomar sucos se você somente beber refrigerante. O mesmo vale para exercícios físicos, é preciso que os pais sejam ativos para que os filhos não caiam no sedentarismo.
  • Mantenha um clima harmonioso durante as refeições: Discussões, gritos à mesa, brigas, queixas e reclamações, mesmo que não se dirijam à criança, acaba tirando o seu apetite.
  • Não force seu filho a comer e nem a comer tudo: Não implique com a criança e respeite o seu paladar e suas necessidades.
  • Exponha a criança à comida: estudos sugerem que uma criança precisa ser exposta até 15 vezes a uma nova comida até que se disponha a prová-la. Por isso, é preciso ter paciência. Os pais não devem forçar as crianças a comer, mas incentivá-las. Ofereça um pouco de comida hoje, mas não espere que eles comam da primeira vez. Ofereça um pouco do mesmo prato no dia seguinte, na semana seguinte. Aos poucos eles vão se habituar à idéia.  Cuidado para não servir apenas comidas desconhecidas. Um bom método é servir um alimento novo e outros três já conhecidos pela criança.
  • Não expulse as crianças da cozinha: Essa estratégia consiste em deixar as crianças participarem do processo de preparo da comida. Deixe-as ajudarem a limpar os alimentos, permita que elas participem da elaboração do cardápio, que misturem os ingredientes. As crianças tendem a provar e comer os alimentos que eles preparam. Levá-las ao mercado para escolher as frutas e vegetais também é um passeio divertido e irá aproximá-las da comida. Um passeio à horta ou a fazenda seria o toque final. Mostre como os alimentos nascem, crescem e se transformam.
  • Comida saudável não quer dizer comida ruim: Muitas crianças não gostam de vegetais porque acham que eles são “sem graça”. Vegetais cozidos demais ficam murchos e até os adultos podem achá-los desinteressantes. Legumes no vapor apenas também não são atrativos ao paladar infantil. Não tenha receio de cobrir estes alimentos com molhos, queijo ou manteiga. Disfarçar o gosto destes alimentos é uma boa maneira de assimilá-los à dieta das crianças. Outro conselho é “camuflá-los” em tortas ou em massas. Um pouco de espinafre na lasanha ou no macarrão irá enriquecer a refeição e ainda pode ter o apelo divertido da cor.
  • Não proíba as coisas gostosas: Restringir os alimentos que não sejam saudáveis é a maneira mais fácil de levar as crianças direto a eles. O proibido é sempre o mais desejado, e a regra também vale para a comida. Quanto mais os pais proíbem um alimento, mais as crianças vão querer. Isso pode criar comportamentos de risco, como quando as crianças compram muitos doces escondidos, roubam as guloseimas dos colegas ou vão a uma festa e se empanturram até passar mal. Uma criança sem limites vai abusar das calorias e das guloseimas. O importante neste caso é a medida: alguns biscoitos por dia são um agrado. Um hambúrguer ou pizza uma vez por semana irá satisfazer a vontade das crianças por comidas gostosas.

Nutricionista Daniele Magalhães, integrante da ComTato. Dúvidas? Agende a avaliação de seu filho.


Condicionamento-físico-durante-a-prática-de-exercícios.jpg

29/01/2018 Nutrição0

A prática de exercício físico promove um aumento da quantidade de energia requerida para o organismo realizar suas funções. Todo praticante de exercícios físicos necessita de uma alimentação balanceada, acompanhada e baseada em uma avaliação nutricional inicial, no sentido de corrigir os possíveis erros alimentares e adequar as necessidades aos objetivos de cada esporte.


Alimentação-Saudável-Daniele-1-1200x780.jpg

08/01/2018 Nutrição0

Uma alimentação saudável é indispensável para a manutenção da nossa saúde, mas a pergunta sempre é a mesma: Como se ter uma alimentação saudável? Somente a conseguimos através de uma dieta equilibrada. Sendo assim, necessitamos de uma alimentação variada, que tenha todos os tipos de alimentos, sem abusos e também sem exclusões.

Verifique os 10 passos para promover uma alimentação saudável, e escolha aqueles que podem trazer variedade e mudança de qualidade em sua alimentação.

  1. Procure alimentar-se em horários regulares, fazendo de 5 a 6 refeições diárias. Não “pule” nem substitua nenhuma refeição. Passar mais de 3 horas sem se alimentar, ou ficar em jejum por muito tempo pode causar tremores, dores de cabeça, irritação e falta de atenção.
  2. Coma devagar. A mastigação bem-feita é fundamental para digerir bem os alimentos e para que os nutrientes sejam bem absorvidos. Além disso, mastigar bem ajuda a diminuir o nervosismo e proporciona sensação de prazer. Dessa forma você ajudará seu estômago a perceber que recebeu a quantidade suficiente de alimentos e que não precisa mais sentir fome.
  3. Procure fazer suas refeições com tranquilidade e calma, evitando outro tipo de atividade enquanto se alimenta (assistir TV, ler, etc.).
  4. Aumente a ingestão de líquidos para no mínimo 2 litros por dia. Muita água! Consuma com moderação bebidas alcoólicas e refrigerantes. Prefira sucos de frutas frescas ou polpa congelada.
  5. Evite o consumo de alimentos gordurosos (toucinho, torresmo, banha, bacon, queijos amarelos, maionese, creme de leite, manteiga). Diminua o consumo de carnes vermelhas para até 3 vezes na semana, pois são ricas em colesterol. Dê preferência a carnes brancas (peixes, frango sem pele).
  6. Para preparar os alimentos use de preferência óleo vegetais (soja, canola, milho e girassol) em pequenas quantidades. Evite frituras, sempre que possível, asse ou cozinhe os alimentos, em vez de fritá-los.
  7. Reduza o consumo de sal. Tire o saleiro da mesa. Evite temperos prontos, alimentos enlatados e embutidos. Faça uso de ervas frescas para realçar o sabor das refeições (alho, cebola, orégano, noz moscada, salsa).
  8. Aumente o consumo de frutas, vegetais folhosos e outros vegetais crus de preferência com casca. Estes alimentos são ricos em fibras que proporcionam sensação de saciedade, regulam o funcionamento intestinal, e podem atuar prevenindo várias doenças.
  9. Escolha alimentos à base de fibras como farelo de trigo, aveia, cereais, pães e biscoitos 100% integrais. Leia os rótulos dos alimentos.
  10. Evite fazer grandes refeições à noite, pois é à noite que seu organismo repousa e a digestão é mais lenta. Se abusar provavelmente não irá dormir bem e terá mais apetite no seu café da manhã.

Daniele Magalhães, Nutricionista integrante da ComTato. Precisando equilibrar sua alimentação? Agende uma avaliação!



ComTato - Fisioterapia em BH e Região.

Contato

Segunda - Sexta 07:00-20:00Sábado - 07:00-13:00(31) 3044-3099
(31) 99118-5320
(31) 99977-5492
contato@comtatobh.com.br
Belo Horizonte - MGAtendemos em BH e região metropolitana

Newsletter

ComTato. Todos os direitos reservados.