Doula

Doula no parto

Doula no parto

Temido e desconhecido, o parto ainda é “crucificado” e mal compreendido pela sociedade, por isto a doula se torna parte integrante e fundamental da equipe multidisciplinar, pois ela tem a função de desmistificar vários tabus e crenças, através da informação de qualidade e levar apoio físico e emocional para a gestante, facilitando a percepção da mulher em sua capacidade de parir.

 

No momento do parto, a doula pode auxiliar a mulher de várias formas, isso dependerá da demanda individual de cada uma. De modo geral, com o trabalho da doula durante a gestação, a mulher vai para o trabalho de parto mais segura e consciente do processo de parir, proporcionando maior autonomia e empoderamento das suas escolhas. Assim, a doula mantém o papel em esclarecer as dúvidas e apoie as decisões tomadas no trabalho de parto e parto.

Ainda é de responsabilidade da doula, tranquilizar o ambiente ou quem estiver presente, realizar massagens, uso de técnicas de respiração e relaxamento para auxiliar na conexão da mulher com o trabalho de parto e aliviar medos, tensões e ansiedade, exercícios para facilitar o encaixe do bebê, indicar posições de alivio de dor, ACREDITAR NA MULHER E EM SEU CORPO. Identificar as fases do trabalho de parto, sinais de anormalidade (no comportamento da mulher, ritmo e padrão de contrações, perdas vaginais: sangramentos, liquido amniótico), orientar o casal sobre cada uma das situações e como podem aproveitá-las ou como devem agir e orientar como devem avisar a equipe.

Lembrando que a Organização Mundial de Saúde recomenda que toda mulher em fase ativa do trabalho de parto deve ter acompanhamento técnico, ou seja, ser monitorada por obstetra ou parteira (enfermeira obstétrica ou obstetriz). Antes deste momento a presença da doula no ambiente escolhido pela mulher, é o suficiente.

Se for desejo da parturiente, outras técnicas terapêuticas podem ser realizadas como: digitopressão, aromaterapia, cromoterapia, musicoterapia, velas aromáticas. Todas elas coma intenção de melhorar o conforto físico e emocional e melhorar a percepção emocional do momento do parto.

Ainda a doula pode ser um suporte para o parceiro, acalmando-o ou mesmo sugerindo formas de apoio que o acompanhante pode dar à parturiente para contribuir de forma mais efetiva.

O pai ou acompanhante 

Vale lembrar que a presença da Doula não substitui a presença do acompanhante escolhido pela mulher. Cada um terá uma função e um envolvimento diferente com os acontecimentos que envolvem o trabalho de parto e parto em si.

O acompanhante é o elo da gestante com família e com ele possui envolvimento emocional. Geralmente essa pessoa fica sensibilizada e emocionalmente envolvida durante o trabalho de parto.e seu papel será promover o suporte pessoal. Davis Floyd diz que no nascimento o pai está parindo com a mulher, por isso, na grande maioria das vezes, não terá o discernimento suficiente para saber qual atitude tomar para auxiliar a parturiente naquela condição.

Aromaterapia no trabalho de parto

A maior pesquisa já realizada sobre aromaterapia, óleos essências, durante o parto aconteceu em Oxford na Inglaterra, no Hospital John Radcliffe. Foram avaliados os efeitos dos óleos essenciais, através da inalação e massagem com concentração de 1%, em 8058 mulheres em trabalho de parto normal ou cesariana por 8 anos.

Para alivio de dor, medo e ansiedade, os principais aromas escolhidos foram Lavanda (L. angustifolia), Camomila Romana (Anthemis nobilis) e Rosa (R. damascena). Já para alívio da náusea e vômito, foi o aroma de Hortelã pimenta (Mentha piperita) e para aumentar a sensação de bem-estar e sentimentos positivos em relação ao parto, foram utilizados principalmente os aromas de Eucalipto (Eucalyptus glubulus), Limão (Citrus limon) e Mandarina (Citrus reticulata). Foi observado também que a aromaterapia reduziu o uso de analgesia de 6% para 0,4%, confirmando e complementando o resultado de outros estudos que também trouxeram também os benefícios dos óleos essenciais de Capim-limão (cymbopogon citratura), Manjerona os doce, Ylang ylang (Cananga), Bergamota (Citrus bergamia), Sálvia Esclaréia (S. sclarea), Olíbano (Boswellia sp.) e Jasmin (Jasminum officinalis) no auxílio da redução da dor e uso de analgesia.

Portanto, os óleos essenciais apresentam bons resultados, através de uma resposta neuropsíquica capaz de influenciar respostas emocionais, na hora do trabalho de parto se bem indicados, trazendo mudanças necessárias como relaxamento, aumento da energia, redução da dor, cheiro agradável no ambiente (se a parturiente aprovar), entre outros.

Aproveite este benefício!



Cíclica - Sexualidade Funcional

Contato

Segunda - Sexta 07:00-20:00Sábado - 07:00-13:00(31) 3044-3099
(31)9 9764-9963
Belo Horizonte - MGAtendemos em BH.

Newsletter

Cíclica. Todos os direitos reservados.

WhatsApp chat